Alta rotatividade de colaboradores em academias: o que causa e como evitar.

Alta rotatividade de colaboradores em academias: o que causa e como evitar.

Não importa o setor, a gestão de pessoas é um desafio constante. No mercado fitness, não é diferente. A rotatividade de colaboradores em academias, box ou estúdios pode se tornar um obstáculo significativo. Neste artigo, exploraremos as causas desse problema e compartilharemos estratégias para evitá-lo, ajudando você a criar uma equipe estável e de sucesso para a sua academia, box ou estúdio.

É aquela velha luta: abrir a vaga de emprego, encontrar a melhor maneira de divulgar, analisar dezenas de currículos, fazer entrevistas infinitas que mais decepcionam do que qualquer outra coisa. Até que – finalmente – aparece a luz no fim do túnel e eis o novo membro do seu time. E então começa outra batalha: treinamento, capacitação e adaptação.

Ter um time vencedor é um trabalho essencial para o sucesso de qualquer academia e é papel do gestor montar e preparar essa equipe. É um trabalho a longo prazo, você investe tempo, dinheiro e paciência nessas pessoas, com a esperança de que elas venham para agregar e ajudar a alavancar o resultado da sua academia. 

E funciona. Por alguns meses, se tudo foi feito certo, você tem um funcionário dedicado e preparado, trazendo resultados. E então ele sai. Pode demorar seis meses, até um ano, mas todo aquele trabalho e dedicação que você empregou por meses vai para uma pasta de arquivo junto com a carta de demissão.

O problema você conhece, pior do que isso, vive com ele. Uma busca infinita, treinamentos que não acabam mais e uma frustração que cresce na mesma proporção em que sua paciência para contratar diminui. 

E quanto a solução, nesse artigo você encontra algumas dicas que vão te ajudar a entender o porquê de isso acontecer e a diminuir a rotatividade de colaboradores na sua academia, box ou estúdio.

Saiba reconhecer que o problema existe.

Mas antes de qualquer dica, tem um ponto principal a que todo gestor deve se prender: todo problema tem uma causa. Se existe uma alta rotatividade de colaboradores em academias, o que está causando isso? Qual o tamanho do problema?

Um funcionário seguir esse padrão não compreende o fim do mundo, pode ser mais problema dele do que seu, dois pode ser coincidência, três já é algo em que se pensar. Em resumo, você vai saber que tem um gargalo na sua empresa quando esse cenário virar rotina.

Se essa for a sua situação, então não adianta gastar tempo chorando o leite derramado. O que você precisa é correr atrás e causar uma mudança que favoreça você, sua gestão, sua academia e seus colaboradores. E tudo começa por uma análise da sua empresa.

Esse é o único caminho para entender a origem real por trás de sua dor de cabeça. Por que você está sofrendo com a alta rotatividade de colaboradores na sua academia? Por que não consegue reter talentos? Onde está o problema? Você precisa dessas respostas para tomar uma atitude assertiva e definitiva.

E lembre-se: resolver um problema sem cortar sua raíz, é pintar uma mancha de vazamento e esperar que não volte a dar dor de cabeça. 

Quer saber mais sobre como montar uma equipe vencedora? Assista ao 16º episódio do GAP CAST, é só clicar aqui.

Os principais motivos para alta rotatividade de colaboradores em academias.

Os motivos de uma pessoa nunca são completamente claros para ninguém que não ela própria. Mesmo quando diretamente confrontado, o colaborador ainda pode mentir sobre a razão de sua saída. Então é realmente complicado ter 100% de certeza do que está acontecendo. Principalmente se não conhecer bem sua empresa.

No entanto, alguns cenários se repetem, são, de certa forma, padrões. 

  • O primeiro deles é muito claro: remuneração. Através de plataformas como Linkedin, Solides e Gupy, a média salarial de qualquer cargo fica óbvia a qualquer um que procure, o que torna muito mais fácil a um colaborador se sentir pouco reconhecido financeiramente e procurar melhores oportunidades.
  • O ecossistema da empresa também é um ponto a ser levado em consideração. O perfil da sua equipe atual determina o encaixe dos novos colaboradores. Se você tem um conjunto de pessoas entre 25 e 20 anos, com uma personalidade já definida e que se relaciona de uma certa forma, introduzir uma pessoa com características que não se encaixam no ambiente pode gerar desconforto.
  • Se você já trabalhou com as gerações mais novas, então deve ter percebido que o dinheiro não é mais a única corda que sustenta a relação entre o profissional e o trabalho. Atualmente, o propósito é um fator determinante. Trabalhar não é mais apenas dever e obrigação, a maioria das pessoas querem fazer algo de que gostam, ganhar bem por isso e ainda mudar o mundo de alguma forma. E se não alcançarem esse sentimento na sua academia, são talentos que você perdeu para o mercado.
  • A liderança é parte central de uma equipe. O líder é uma referência, é alguém em quem seus colaboradores vão se inspirar. Alguém em quem precisam confiar. E se a pessoa que recebe esse título não passa a impressão errada, então o seu problema com alta rotatividade de colaboradores já começou. Ninguém quer seguir uma pessoa em quem não confia ou que não respeita.
  • Existe um ditado que diz que nenhum amor sobrevive muito tempo ao maltrato. E ele se encaixa muito bem aqui. Imagine o colaborador mais motivado, engajado e apaixonado que você poderia conseguir para sua academia. Aquela pessoa que está sempre dando o máximo e correndo ao seu lado. É fácil dar cada vez mais carga para esse profissional que nunca decepciona, mas ele não vai aguentar para sempre. Estresse, sobrecarga de trabalho e falta de reconhecimento afastam muitos funcionários bons.

Esses são só alguns exemplos. Existem muitos motivos que podem levar um colaborador a desistir da sua empresa e da sua gestão. E por mais que você construa uma equipe tão bem estruturada que tenda a ser autossuficiente, é o seu olhar, enquanto gestor e estruturador daquele ambiente, que vai dar a resposta final. 

Como evitar sofrer com alta rotatividade de colaboradores em academias.

Os motivos acima já direcionam algumas atitudes que podem evitar esse problema. Por exemplo, ter certeza de colocar as pessoas certas nos cargos de liderança, tendo o cuidado de mostrar justiça, clareza e motivação nessa escolha para que todos sintam confiança nessa pessoa que está entrando e em você, enquanto gestor. 

Estruturar um ambiente de trabalho saudável e diverso também é uma atitude certeira para quem prefere prevenir do que remediar. Evita problemas a longo prazo com abuso de poder e com um ecossistema muito fechado para novas pessoas. 

Manter a comunicação com seus colaboradores, em nível geral, também vai ser ótimo na hora de organizar a gestão de pessoas. Vai deixar mais fácil perceber quando existe um problema. Além de torná-lo uma figura de confiança, com quem é fácil conversar e relatar situações de estresse. A longo prazo, isso evita demissões e perda de tempo com análises minuciosas e relatórios infinitos.

Assim como seus colaboradores podem usar essas novas plataformas profissionais para conhecer o mercado, você também pode. Esteja sempre ciente da média salarial dos cargos e se mantenha nivelado no que é justo.

Conclusão

É claro que essa não é uma receita de bolo. Sua academia é um ambiente único, assim como seus colaboradores são indivíduos completamente diferentes entre si e entre outros grupos. 

Por isso é importante reforçar a importância de conhecer sua empresa e sua equipe tão bem quanto for possível. É a única forma de ter certeza da existência do problema, de sua origem e de como corrigir antes que se torne catastrófico.

E se seu problema começar com construir uma equipe, e não com mantê-la, então esta edição do blog pode te ajudar.

Quer aprender a ter resultados de verdade com sua academia, box ou estudio? Conheça o GAP One DAY, o melhor eventos em gestão fitness do Brasil.

Deixe seu comentário:

Siga-nos nas redes sociais!

Por lá, temos outros conteúdos transmitidos gratuitamente. Para acessar, siga a GAP Group em sua rede social preferida.

Últimos posts

Nosso Facebook

Nosso último GAPCAST